quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Nós somos de Deus, portanto, tudo que temos é dele.

Nós precisamos compreender, que nosso compromisso com Deus não afeta apenas nossa vida espiritual, mas, também, todos os aspectos de nossa existência. Em outras palavras, quando dedicamos nossa vida a Cristo, tudo que temos é dele.
Paulo, em Rm. 12:1 diz: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis os vossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional”. Apresentar nosso corpo em sacrifício vivo certamente implica em dedicar a Deus tudo que temos e somos.
Nosso corpo inclui todos os membros; quer trabalhemos com as mãos, com nossa boca, com os pés, com os olhos, com qualquer membro ou membros, estamos utilizando um corpo que pertence a Deus. E Paulo diz que essa dedicação total é o nosso “culto racional”, porque pertencemos a Deus, em virtude de haver Ele nos criado (Sl.100:3) e nos comprado com o precioso sangue de Cristo (1Co. 6:19-20)
Em vista desse duplo direito de propriedade de Deus sobre nós, a única coisa sensata que podemos fazer é apresentarmos as nossas vidas a Ele (2Co. 5:15). E quando o fazemos, Ele possui tudo que temos e somos.
Nós possuímos coisas, mas Deus é dono delas.
Nós ganhamos dinheiro, mas é Deus quem nos capacita.
Nós somos de Deus, portanto, tudo que temos é dele.
Reconhecemos, portanto, que Deus é realmente o proprietário de todas as coisas das nossas vidas.
Graças a Deus, por todos estes princípios que foram vistos, estarem à nossa disposição na Sua Palavra! E que Deus trabalhe em seu coração, de tal maneira que sejam todos aplicados em sua vida.
Para os bons mordomos de Deus: “Quem quiser administrar seus bens corretamente, não pode perguntar aonde foi parar o dinheiro; ele é quem tem de dizer para onde o dinheiro deve ir”. Salmo 62:10b – 12 ( “Se as vossas riquezas prosperam, não ponhais nelas o coração”)

Pr> Jorge Peres

Nenhum comentário:

Postar um comentário